RESENHA CRÍTICA: Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman)

O filme ironicamente é divertido e tristemente adequado para o mundo e momento que vivemos. Só por isso já consagra o filme e o momento histórico. E finalmente torna Spike Lee outra vez grande

21/11/2018 23:33 Por Rubens Ewald Filho
RESENHA CRÍTICA: Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman)

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman)

EUA, 18. Direção de Spike Lee. Com Alec Baldwin, John David Washington, Isiah Whitlock Jr, Robert John Burke, Brian Tarantina, Arthur J. Nascarella, Ken Garito, Frederick Weller, Adam Driver, Michael Buscemi, Laura Harrier, Damaris Lewis, Corey Hawkins.

O Festival de Cannes fez um grande erro quando muitos anos atrás, em 1989, não souberam dar ao filme de Spike Lee, o merecido grande prêmio para Faça a Coisa Certa (Do the Right Thing). Ao contrário, ignorou o trabalho que viria se tornar um sucesso mundial e certamente o filme mais forte na denuncia da perseguição aos negros. Com enorme impacto e ate chocante. Lee tentaria outros filmes, sejam comédias (Febre da Selva), sejam biografias, como Malcolm X, sejam denúncias (Mais e melhores Blues). É verdade que ele teria outros prêmios (como aqui quando Cannes procurou se corrigir dando a este filme, o Grande Prêmio do Júri e o Ecumênico). Mas naquele filme básico estava a explosão de toda uma longa denúncia do conflito entre brancos e negros, que até hoje continua grave e na verdade cada vez se piorando mais (Lee, que é muito vaidoso, já levou o Oscar especial da Academia por sua carreira, Emmy pelo documentário e conseguiu produzir grande número de documentários - tentou fazer isso inclusive aqui no Brasil). Seu grande retorno porém não chegou a acontecer por uma razão triste, seu melhor momento, sua, digamos por vezes, maldade hoje já o deixou com amargor. E certamente com toda razão, diante do que ficamos vendo diariamente. O filme atual começa muito de propósito com a cena mais famosa de E o Vento Levou com Vivien Leigh, com ela atravessando a praça toda cheia de mortos e feridos. Depois disso, o sempre irônico Alec Baldwin acentua ainda mais a história do passado cinematográfico com O Nascimento de uma Nação (e justamente no filme mais clássico da história americana vemos toda a tragédia da perseguição de Negros,a ação da KluKlux Klan e assim por diante).

Desta vez inspirado em fato real (no lugar de Denzel Washington, que iria interpretar justamente o autêntico Ron Stallworth, que no final das contas passou a ser feito por seu próprio filho). Melhor assim, ainda que tantos anos depois talvez alguns não sintam o rigor da tragicomédia (já que Ron nunca falava em “voz de branco”). Lee mexeu na história 7 anos de 1979 para 72, para lembrar da moda de então que era fazer filmes sobre negros, os chamados blaxpoitation e o então presidente Nixon apoiando a Klan. Um detalhe: no final do filme tem uma música do falecido Prince, Mary, Don´t You Weep. O filme foi dedicado a Heather Hever, que foi atingida por um carro enquanto protestava no movimento “uma a Direita” em agosto de 2017 em Charlottesville. O título de exportação do filme faz de propósito o uso de três Ks para não confundir com o Clan espanhol! A música usada durante a cena final e montagem também final, foi Photo Ops, originalmente composta por Terrence Blanchard para Lee que a usou em outro filme Inside Man. A cena final do filme é uma bandeira norte-americana de cabeça para baixo,nos EUA, uma bandeira assim é sinal de vergonha e emergência ou um sinal de protesto.

Agora que me dei conta que faz muitos anos, mais de trinta, que de uma forma ou outra tive contato com Spike Lee, que nunca perdeu seu jeitão polêmico, por vezes provocador mais que artista, se é que isso possa ser dividido. Já disseram mesmo que sua intenção como artista é ser um provocador que não permite que os outros fiquem confortáveis demais, caindo na mera diversão. Ou seja, o filme esta perfurado de ironias e criticas, e, se fosse possível, ainda mais. Porque o básico do filme é contar a estranha historia de Ron Stallworth, um negro que se infiltrou na KKK! Por pura ironia e sacanagem se preferirem. E Adam Driver é o policial que irá se tornar seu parceiro escondido. É tudo isso que torna o filme ironicamente divertido e tristemente adequado para o mundo e momento que vivemos. A luta nunca passou, nem de longe deixou de existir. Só por isso já consagra o filme e o momento histórico. E finalmente torna Spike Lee outra vez grande.

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho é jornalista formado pela Universidade Católica de Santos (UniSantos), além de ser o mais conhecido e um dos mais respeitados críticos de cinema brasileiro. Trabalhou nos maiores veículos comunicação do país, entre eles Rede Globo, SBT, Rede Record, TV Cultura, revista Veja e Folha de São Paulo, além de HBO, Telecine e TNT, onde comenta as entregas do Oscar (que comenta desde a década de 1980). Seus guias impressos anuais são tidos como a melhor referência em língua portuguesa sobre a sétima arte. Rubens já assistiu a mais de 30 mil filmes entre longas e curta-metragens e é sempre requisitado para falar dos indicados na época da premiação do Oscar. Ele conta ser um dos maiores fãs da atriz Debbie Reynolds, tendo uma coleção particular dos filmes em que ela participou. Fez participações em filmes brasileiros como ator e escreveu diversos roteiros para minisséries, incluindo as duas adaptações de “Éramos Seis” de Maria José Dupré. Ainda criança, começou a escrever em um caderno os filmes que via. Ali, colocava, além do título, nomes dos atores, diretor, diretor de fotografia, roteirista e outras informações. Rubens considera seu trabalho mais importante o “Dicionário de Cineastas”, editado pela primeira vez em 1977 e agora revisado e atualizado, continuando a ser o único de seu gênero no Brasil.

Linha
Todas as máterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantém você conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar você pode compartilhar suas preferências, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se já!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro