um Santo!

Ao Acaso Baltasar visualmente, creio, o mais lrico dos filmes de Robert Bresson

02/06/2017 08:54 Por Eron Duarte Fagundes
É um Santo!

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

 

Ao acaso Baltasar (Au hasard Batlthazar; 1966), exibido nos cinemas brasileiros como A grande testemunha, é a Bíblia em imagens de Bresson, aquele filme onde ele depositou toda a profundidade de seu pensamento cristão; e o fez com um vigor estético soberbo, que o eleva à condição de maior cineasta francês de todos os tempos, talvez só igualado por Jean Renoir.

Ao acaso Baltasar é visualmente, creio, o mais lírico de seus filmes. Mas seu lirismo não é o lirismo escorreito de um François Truffaut. É um lirismo denso, um lirismo que nasce de sua própria religiosidade, uma religiosidade que não se oferece a uma vista na superfície mas  busca um olhar que aprofunda os achados. É um convite a fugir às trivialidades do mundo; o lirismo monástico de Bresson se despoja tanto das facilidades poéticas quanto de conceitos religiosos sem densidade. Curiosamente, o filme anterior de Bresson, O processo de Joana d’Arc (1962), interpretado pela mesma atriz Anne Wiamzemsky, era sequíssimo, apelava para a inexistência de cenários, a plástica de sua fotografia era dura. Ao acaso Baltasar não foge inteiramente a estas contenções bressonianas, mas adiciona uma emoção diferenciada na imagem (sempre profundamente plástica) e na faixa sonora (tocada pelos acordes intensos de Franz Schubert). São duas obras-primas iguais e diferentes, tão perfeitas e rigorosas, onde podemos perceber a constância e a pessoalidade de um gênio do cinema que reinventa suas formas narrativas em cada enquadramento.

De uma certa maneira, Ao azar Baltasar refaz a trajetória milenar de Cristo. A desilusão com os seres humanos faz que agora Cristo seja um burrinho de campanha. Bresson o acompanha com sua câmara ao longo de vários anos andando de cá para lá nas mãos de diversas famílias do interior agropastoril da França. Baltasar sofre o diabo ao topar com a maldade de muitas pessoas. Jovens violentos dão-lhe surras, ateiam fogo em papéis presos em seu rabo. Baltasar é amado por Marie, que um dia, depois de ser violentada por vadios da localidade, vai embora; a mãe de Marie, após a morte do pai desta por desgosto, está incumbida de cuidar do burrinho e, questionada pelos vadios que depois vão roubar o animal e judiar dele e soltá-lo à própria sorte no meio do campo, a mulher lhes responde sobre Baltasar: “É um santo!”, da mesma maneira que a camponesa vivida por Giulietta Masina em Europa 51 (1952), do italiano Roberto Rossellini, sussurrava da burguesa encarcerada como louca interpretada por Ingrid Bergman e que olhava o povo da janela do hospício: “É uma santa!” A diferença  está entre o seco dizer francês da viúva do filme de Bresson e o apaixonado misticismo duma camponesa italiana na obra de Rossellini.

À peregrinação purificadora de Baltasar pelas ambientações aparentemente bucólicas do interior francês (no lugar do bucolismo surge uma outra coisa na paisagem, uma devastação espiritual) corresponde a peregrinação do espectador, que deve assistir ao filme de Bresson como o assistente de uma missa: um ato contrito de fé e salvação. Nas mãos de Bresson, mais do que nunca, o cinema é uma religião. Esta religião, como o cristianismo, vai dar, no final de Ao acaso Baltasar, na figura do burrinho agonizando, ferido, no meio do campo, cercado de ovelhas contritas. Um novo Cristo, claro.

 

 

(Eron Duarte Fagundes – eron@dvdmagazine.com.br)

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Eron Duarte Fagundes

Eron Duarte Fagundes

Eron Duarte Fagundes natural de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, onde nasceu em 1955; mora em Porto Alegre; curte muito cinema e literatura, entre outras artes; escreveu o livro “Uma vida nos cinemas”, publicado pela editora Movimento em 1999, e desde a dcada de 80 tem seus textos publicados em diversos jornais e outras publicaes de cinema em Porto Alegre. E-mail: eron@dvdmagazine.com.br

Linha
Todas as mterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantm voc conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar voc pode compartilhar suas preferncias, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se j!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro