Lua Sangrenta

Assassino mata em série garotas em uma escola de idiomas na Espanha. O principal suspeito é um jovem de rosto desfigurado, que passa a ser seguido por uma sobrevivente que investiga o caso

05/12/2017 21:13 Por Felipe Brida
Lua Sangrenta

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

Lua Sangrenta (Die säge des todes/ Bloody moon). Espanha/Alemanha, 1981, 85 min. Terror. Colorido. Dirigido por Jess Franco. Distribuição: Obras-primas do Cinema 

Um bom aperitivo slasher para quem quiser conhecer a mente insana do cineasta espanhol Jesús Franco (1930–2013), lá fora Jess Franco, um dos principais realizadores do cinema trash, responsável por mais de 200 filmes do gênero, rodados em diversos países. Em “Lua sangrenta”, de 1981, fez um trabalho de destaque na extensa filmografia, um banho de sangue à moda europeia, com fartas cenas de nudez e diálogos com o incesto, dois temas que o diretor tinha fixação.

Dez anos antes os filmes de assassinos mascarados que matavam com requintes de crueldade, recheados de cenas de violência e apelo jovem, já ganhavam força na Itália (com os populares “Giallo”), e nos anos 80 invadiram os Estados Unidos. Nessa onda, Franco aproximou-se da carnificina do slasher, sintetizando-o em seu cinema puro de horror, imortalizando-o na Espanha, sua terra natal.

Assim “Lua sangrenta” resume bem as propostas do cinema mórbido de Franco, com história fácil de ser decifrada, mas cuidado com as sequências de assassinato, algumas impressionam, como a decapitação de uma mulher com uma serra (momento-chave que dá nome ao filme, em alemão, e ilustra a capa americana).

O filme sai em um box especial em homenagem ao cineasta, com o título de “Cinema Trash – Jess Franco”, que reúne outras três obras dele: “Santuário mortal” (1969), “Ela matou em êxtase” (1971) e “Vampiros lesbos” (1971), e acompanha extras imperdíveis e ainda cards com os pôsteres originais das quatro produções.

Vale experimentar essa amostra macabra para conhecer um pouco o cinema desse diretor cultuado entre os cinéfilos do trash/slasher movie, um cara que fazia um pouco de tudo na Sétima Arte - atuava, pensava a fotografia, compunha trilha sonora, produzia, editava, dirigia e escrevia o roteiro, e morreu praticamente esquecido, em 2013. Já nas lojas!

 

 

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Felipe Brida

Felipe Brida

Jornalista e especialista em Artes Visuais e Intermeios pela Unicamp. Pesquisador na área de cinema desde 1997. Ministra palestras e minicursos de cinema em faculdades e universidades. Professor de Semiótica e História da Arte no Imes Catanduva (Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva) e coordenador do curso técnico de Arte Dramática no Senac Catanduva. Redator especial dos sites de cinema E-pipoca e Cineminha (UOL). Apresenta o programa semanal Mais Cinema, na Nova TV Catanduva, e mantém as colunas Filme & Arte, na rede "Diário da Região", e Middia Cinema, na Middia Magazine. Escreve para o site Observatório da Imprensa e para o informativo eletrônico Colunas & Notas. Consultor do Brafft - Brazilian Film Festival of Toronto 2009 e do Expressions of Brazil (Canadá). Criador e mantenedor do blog Setor Cinema desde 2003. Como jornalista atuou na rádio Jovem Pan FM Catanduva e no jornal Notícia da Manhã. Ex-comentarista de cinema nas rádios Bandeirantes e Globo AM, foi um dos criadores dos sites Go!Cinema (1998-2000), CINEinCAT (2001-2002) e Webcena (2001-2003), e participa como júri em festivais de cinema de todo o país. Contato: felipebb85@hotmail.com

Linha
Todas as máterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantém você conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar você pode compartilhar suas preferências, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se já!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro
30 fotos grátis na 1a compra BF3