Sindicato de Ladrões: Dilema Moral

Sindicato de Ladrões foi uma produção que ousou - e arriscou - com uma estética distante de uma glamourização típica das produções hollywoodianas

11/12/2017 07:13 Por Jorge Ghiorzi
Sindicato de Ladrões: Dilema Moral

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

Grande vencedor do Oscar de 1955, nas categorias de Filme, Diretor, Ator, Atriz Coadjuvante, Direção de Arte em preto e branco, Fotografia em preto e branco, Edição e Roteiro, Sindicato de Ladrões (On the Waterfront) representou, em seu tempo, um importante momento de virada histórica nas produções tuteladas pelo academicismo de um modelo de cinema norte-americano que estava prestes a ruir na década seguinte. O filme dirigido por Elia Kazan introduziu com grande vigor altas doses de realismo social numa produção que escapou do controle do sistema de estúdios. Sindicato de Ladrões foi uma bem sucedida experiência de Neorrealismo tardio em Hollywood.

O tema central do filme é uma palavrinha muito em voga neste Brasil de hoje: delação. Trair ou não trair, reconhecer os mal feitos ou não, eis a questão. Este é o dilema moral de Terry Malloy, um trabalhador braçal da zona portuária de Nova Iorque, numa interpretação superior de Marlon Brando. Ele e seu irmão Charley (Rod Steiger) trabalham para o chefão mafioso Johnny Friendly (Lee J. Cobb) que controla com mão de ferro os sindicatos dos estivadores. Os dois irmãos fazem o chamado “trabalho sujo” do sindicato, controlando, ameaçando, explorando a mão de obra (fartamente disponível) e cobrando propina sobre os ganhos dos trabalhadores, sempre a mando do temido líder do grupo. Direitos trabalhistas? Nem pensar. Após se envolver, inocentemente, numa armadilha que resultou na execução de um estivador que não andou na linha, Terry acaba conhecendo a irmã da vítima, a bela Eddie (Eva Marie-Saint). O relacionamento entre os dois evolui para uma paixão amorosa, que acaba por despertar um forte sentimento de culpa em Terry. O seu drama o conduz a um ato final de redenção pessoal ao delatar os atos criminosos de seu chefe e libertar os trabalhadores da opressão de um sindicato comandado por gangsteres.

O ato da delação é um tema caro ao diretor Elia Kazan, ele próprio envolvido num episódio rumoroso que marcou definitivamente sua biografia. Na condição de ex-membro do Partido Comunista dos EUA, Kazan foi convocado em 1952 para depor na Comissão de Assuntos Antiamericanos do Congresso e denunciou vários colegas de profissão, que foram incluídos na “lista negra de Hollywood”, acusados pelo Macartismo de simpatizantes do comunismo. Em 1999 o diretor recebeu um Oscar honorário pelo conjunto da obra. Na cerimônia de entrega do prêmio a plateia ficou dividida neste reconhecimento. Num momento célebre da história da Academia, parte do público aplaudiu, mas alguns ficaram ostensivamente de braços cruzados, como Ed Harris, Nick Nolte, Sean Penn, Holly Hunter e Ian McKellen.

Lançado apenas dois anos após o depoimento na Comissão, Sindicato de Ladrões não deixa de ser uma ousadia de Elia Kazan por tratar de um tema tão próximo da sua realidade. Para a abordagem realista imaginada pelo realizador foi fundamental a decisão de realizar as filmagens quase que inteiramente em locações, com uma densa fotografia em preto e branco que reflete a crueza dos ambientes reais e das condições miseráveis dos trabalhadores que lutam pela sobrevivência ao custo de alguns trocados.

Outro fator que contribui para a elaboração do conceito da mise-en-scène é a incorporação de um novo tipo de atuação – praticado nos palcos, mas raramente no cinema – baseado no chamado “Método”, o estilo de interpretação promovido pelo Actors Studio (escola do próprio Kazan), que se baseia fundamentalmente na autenticidade da performance a partir das próprias vivências emocionais do atores. No papel de Terry Malloy, um personagem que evolui da alienação à autoconsciência, Marlon Brando usou e abusou do “Método” e compôs com sutileza de gestos, improvisos e humanidade um dos personagens mais icônicos do cinema norte-americano.

Sindicato de Ladrões foi uma produção que ousou – e arriscou – com uma estética distante de uma glamourização típica das produções hollywoodianas. Acrescente-se a este aspecto formal uma crítica social contundente que discutiu a questão da exploração trabalhista que tangencia o submundo da contravenção. Elia Kazan realizou um exemplar drama de crime e castigo que ainda faz sentido e impacta, passados mais de 60 anos de sua realização.

 

Assista o trailer: Sindicato de Ladrões

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Jorge Ghiorzi

Jorge Ghiorzi

Bacharel em Jornalismo e pós-graduado em Marketing. Redator, roteirista e produtor de eventos culturais. Editor da publicação “Cine Guia Preview” (1995 – 2000) e do newsletter “Cine Guia Preview” (2009 – 2011). Produtor do Festival de Cinema de Gramado por 17 anos. Colaborou com críticas de cinema para jornais do interior do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Já publicou textos de cinema em diversos blogs e sites, como “Papo de Cinema”, “Facool” e “Movi+”, e também para a revista “Voto”. Criou a produtora cultural “Cine UM”, em 2009, que desenvolve uma programação de cursos livres de cinema em Porto Alegre e no interior do estado. Contato: jghiorzi@gmail.com

Linha
Todas as máterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantém você conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar você pode compartilhar suas preferências, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se já!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro