RESENHA CRÍTICA: Manifesto (Idem)

Sem dúvida, um incrível desafio à arte de representar

26/10/2017 07:46 Por Rubens Ewald Filho
RESENHA CRÍTICA: Manifesto (Idem)

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

Manifesto (Idem)

Alemanha, Áustria, 2017. 1h38 min. Direção e roteiro de Julian Rosefdldt.Com Cate Blanchett, Erika Bauer, Ruiby Bustamante, Andrew Upton.

Não há a menor dúvida de que a grande e mais versátil atriz da atual geração é a vencedora de dois Oscars e 4 indicações, a australiana Cate Blanchett (que por sinal também está em cartaz esta semana em outro personagem suntuoso, Hela, em Thor Raganarok). Mas este filme é um caso especial, endereçado apenas a quem é fã da moça, indispensável para atores, escritores e diretores em particular de teatro e cinema, para se poder admirar com mais cuidado o show da estrela (há figurantes, mas não passam de menos que coadjuvantes). O diretor Rosefeldt é um alemão, 1965, de Munique, que basicamente utilizas instalações opulentas de vídeos, em canais múltiplos, que passam de documentário a teatro narrativo com imagens opulentas. Ou seja, não é um diretor tanto de cinema, mas principalmente um artista de museus e apresentações em museus. O filme e Cate estariam ilustrando o que seria (feito em 12 dias) a exploração do mistério do visível. Em que ela interpreta 13 altamente diferentes personagens, cada um deles apresentando um manifesto! Literalmente. Mas cabe a eles superar o que poderia ser um clichê político em um espetáculo brilhante e emocionante. Também original e difícil de classificar. Embora os manifestos passem do muito político ou religioso para o outros até bem humorados (há uma citação de Oscar Wilde, que afirma, o homem é menos si próprio, quando usa uma máscara e assim lhe contara a verdade). Para no agradecimento final dizer “a todos aqueles maravilhosos autores desses manifestos que nos explodem a nossa mente”. Como já disseram antes outros críticos, todo o filme é uma celebração de ideias e conceitos de nossa cultura, só que reinventados.

Os Manifestos começam com aquele famoso de Karl Marx e Engels, o Manifesto Comunista anunciado em megafone por Cate como uma mulher suja e sem lar no teto de uma casa abandonada. Muitos dos manifestos porém foram escritos por artistas famosos como o Surrealista de Andre Breton, o mantra I Am for an Art, do escultor Claes Oldenburg, As regras douradas de Fazer Cinema, do diretor Jim Jarmusch, ou a Declaração de Minnesota, do alemão Werner Herzog (o assim chamado Cinema Verdade não tem verdade alguma. Apresenta apenas uma verdade superficial) e o famoso Dogma 95, liderado pelo diretor dinamarquês Lars Von Trier e Thomas Vinterberg.

Nem tudo é tão literal, as vezes o que discursam não se importam com a arte. Cada manifesto é feito por uma pessoa num lugar diferente. E com Cate fazendo diferentes caracterizações. No Dogma, coloca crianças repetindo suas palavras. Noutro lugar ela vira uma coreografa russa vestida como Norma Desmond, gritando com sua troupe de dança. Noutro momento faz uma apresentadora de telejornal questionando outra jornalista (também Cate). Ela ainda se torna uma dona de casa que leva a familiar para rezar, uma cientista do futuro, a organizadora de uma festa chique, cada uma com uma voz, aparência e tipo diferente.

É tão forte a presença da intérprete que pode ser mesmo que surjam os que se virem contra ela, acusando-a de exagerada. O curioso é justamente isso, o camaleão (coisa muita rara dentre as estrelas de Hollywood que em geral representam apenas variantes de si mesmas). Sem dúvida, um incrível desafio à arte de representar.

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho é jornalista formado pela Universidade Católica de Santos (UniSantos), além de ser o mais conhecido e um dos mais respeitados críticos de cinema brasileiro. Trabalhou nos maiores veículos comunicação do país, entre eles Rede Globo, SBT, Rede Record, TV Cultura, revista Veja e Folha de São Paulo, além de HBO, Telecine e TNT, onde comenta as entregas do Oscar (que comenta desde a década de 1980). Seus guias impressos anuais são tidos como a melhor referência em língua portuguesa sobre a sétima arte. Rubens já assistiu a mais de 30 mil filmes entre longas e curta-metragens e é sempre requisitado para falar dos indicados na época da premiação do Oscar. Ele conta ser um dos maiores fãs da atriz Debbie Reynolds, tendo uma coleção particular dos filmes em que ela participou. Fez participações em filmes brasileiros como ator e escreveu diversos roteiros para minisséries, incluindo as duas adaptações de “Éramos Seis” de Maria José Dupré. Ainda criança, começou a escrever em um caderno os filmes que via. Ali, colocava, além do título, nomes dos atores, diretor, diretor de fotografia, roteirista e outras informações. Rubens considera seu trabalho mais importante o “Dicionário de Cineastas”, editado pela primeira vez em 1977 e agora revisado e atualizado, continuando a ser o único de seu gênero no Brasil.

Linha
Todas as máterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantém você conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar você pode compartilhar suas preferências, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se já!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro
30 fotos grátis na 1a compra BF3