Um Aplogo Cinematogrfico de Werner Herzog

Um aplogo cinematogrfico fora do tempo, Corao de cristal desestruturou os caminhos do cinema nos anos 70 para aqueles que queriam uma relao direta entre a metfora e o signo real

03/05/2019 09:43 Por Eron Duarte Fagundes
Um Apólogo Cinematográfico de Werner Herzog

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

 

Werner Herzog hipnotizou boa parte de seus atores durante as filmagens de Coração de cristal (Herz aus Glas; 1976), uma de suas experiências fílmicas mais demenciais e que teve em seu tempo dificuldades de ser aceita mesmo por aqueles que lhe admiraram Aguirre, a cólera dos deuses (1972) e O enigma de Kaspar Hauser (1974), filmes esquisitos mas acessíveis. O resultado da hipnose de atores de Herzog são imagens em que a liberação do inconsciente dos intérpretes cria uma realidade cinematográfica a partir da realidade psíquica das interpretações; liberados dos condicionamentos conscientes do ato de interpretar, os atores se convertem em personagem a partir de sua própria persona, como qualquer um que está sendo hipnotizado sem uma câmara para filmá-lo. A câmara de Herzog capta com a estranheza característica este processo hipnótico de direção de atores do cineasta e o que vemos é um estado de imagens  absolutamente novo na história do cinema. Um dos exemplares mais fortes da ação hipnótica de Herzog sobre os atores é o ator Clemens Scheitz, que em algumas aparições (incisivos planos fixos de sua face entre o burlesco e o exótico-germânico) aparece com seu olho vítreo, quase fechando-se, cumprindo um ritual de sonâmbulo; sonambulismo é de certa maneira uma situação de quase todos os intérpretes em cena, que cruzam os inusitados cenários de Coração de cristal carregados de um signo tão físico quanto os próprios cenários.

Coração de cristal foi rodado na Irlanda mas sua ambientação é a Bavária do século XVIII, com suas inóspitas lendas. Os ditos do profeta Hias costuram os vagares das demais personagens, entre elas um vidraceiro que empenha seus dias em busca do segredo do vidro-rubi, algo semelhante à procura medieval do Santo Graal; predizendo um fim de mundo pelas ações não naturais do homem, as sentenças de Hias têm ainda uma atualidade impressionante. Mas esta atualidade vem muito mais do método de filmar topado por Herzog neste filme; contrariamente ao que ocorreria no filme posterior de Herzog, Stroszek (1977), que tem algo de datado e envelhecido ainda que seja expressivo em suas imagens, Coração de cristal é uma permanência estética que joga o próprio espectador para a função dos atores que se movem hipnotizados dentro do quadro.

Os filmes de Herzog, sabe-se, saem uns de dentro dos outros. As imagens obsessivas do alemão tornam sempre. Em Stroszek um carro é abandonado por seu condutor e fica a girar automaticamente; esta cena já estava em Os anões também nasceram pequenos (1971). Em Coração de cristal uma mulher na taberna carrega no colo um galo enquanto dois homens ébrios (sob hipnose?) dançam grotescamente; o galo viraria uma galinha mecânica em Stroszek. Fala-se em Coração de cristal na volta do mundo dos gigantes e numa cena o profeta Hias luta com um urso imaginário; não é a antecipação (do profeta) com algumas décadas do delirante documentário O homem urso (2005)?

Um apólogo cinematográfico fora do tempo, Coração de cristal desestruturou os caminhos do cinema nos anos 70 para aqueles que queriam uma relação direta entre a metáfora e o signo real. Puderam ver em Aguirre o colonizador derrotado e em Bruno Stroszek o europeu que se perde nas tentações da América, mas não souberam o que fazer com o profeta Hias e com o vidraceiro. Como observou o crítico Rubem Biáfora num artigo de 22 de abril de 1979, nO Estado de São Paulo, Coração de cristal desfez certas ingenuidades de alguns para o cinema de Herzog. Com os anos, as relações verdadeiras de Coração de cristal se tornam mais profundas e fortes. É um daqueles casos em que se sedimenta que antes de conceituar uma imagem, precisamos adjetivá-la: que imagem? imagem literária? imagem cinematográfica? imagem pictórica? imagem mental? Em Coração de cristal é a imagem coração-de-cristal.

 

P.S.: Como o inglês Alfred Hitchcock o fazia, Herzog tem uma aparição rápida em Coração de cristal. Há uma cena em que vários indivíduos passam diante da câmara transportando às costas uma carga de vidro-rubi rumo do rio. Herzog é um destes indivíduos anônimos que ali aparece.

 

(Eron Duarte Fagundes – eron@dvdmagazine.com.br)

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Eron Duarte Fagundes

Eron Duarte Fagundes

Eron Duarte Fagundes natural de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, onde nasceu em 1955; mora em Porto Alegre; curte muito cinema e literatura, entre outras artes; escreveu o livro “Uma vida nos cinemas”, publicado pela editora Movimento em 1999, e desde a dcada de 80 tem seus textos publicados em diversos jornais e outras publicaes de cinema em Porto Alegre. E-mail: eron@dvdmagazine.com.br

Linha
Todas as mterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantm voc conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar voc pode compartilhar suas preferncias, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se j!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro