José Geraldo, O Território das Letras

Território humano é o mais autobiográfico dos romances de José Geraldo (conquanto todos o sejam um pouco)

16/09/2018 23:21 Por Eron Duarte Fagundes
José Geraldo, O Território das Letras

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

 

Segundo me disse certa vez o falecido intelectual gaúcho Décio Freitas, o romancista brasileiro José Geraldo Vieira foi muito lido dos anos 40 aos  anos 60 do século passado. Embora, anoto eu, sua linguagem nunca tenha sido pensada para o grande público: é uma linguagem que não teme nem o vocabulário complicado nem as tergiversações sintáticas inusuais. Hoje José Geraldo é praticamente ignorado: e já faz décadas. Mas o contato com sua literatura provoca em mim a mesma paixão das primeiras vezes, daquele final  dos anos 70 em que o descobri. Território humano (1936) pode ser irregular e dispersivo como estrutura romanesca, como geralmente acabam (uns mais, outros menos) todos os romances de José Geraldo, mas a energia fantástica de sua linguagem vai por caminhos tão extraordinariamente poéticos que transformam o conjunto de palavras do livro numa autêntica obra-prima.

É preciso acima de tudo gostar muito de literatura para apreciar um texto como o de Território humano; não basta o apreço distanciado e primitivo, necessita-se de algo  mais visceral, de um contato mais carnal com o verbo em seu estado latente. José Geraldo não teme os voos que a literatura lhe proporciona; à custa do tédio de muitos e do êxtase de alguns poucos, Território humano é na verdade um território de palavras e de construções sintáticas; a linguagem como ideia está inteira novamente como é habitual em José Geraldo. O único brasileiro de nossos dias que em determinada época chegou a aproximar-se deste texto exigente e cerebral foi o gaúcho Juremir Machado da Silva; basta reler Cai a noite sobre Palomas (1995) para comparar. São dois autores que não têm medo da literatura, que não escrevem como se estivessem pedindo desculpas porque a literatura não é a fotografia da vida. É claro que o Juremir dos últimos livros tem uma proximidade adaptativa maior ao público; mas, felizmente, não é tanto quanto ele próprio gostaria.

Território humano é o mais autobiográfico dos romances de José Geraldo (conquanto todos o sejam um pouco). O protagonista chama-se José; e o romance é a própria vida de José Geraldo, só que narrado em terceira pessoa, o que facilita a alteração (afastamento) deste processo de identificação-desindentificação.

 

(Eron Duarte Fagundes – eron@dvdmagazine.com.br)

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Eron Duarte Fagundes

Eron Duarte Fagundes

Eron Duarte Fagundes é natural de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, onde nasceu em 1955; mora em Porto Alegre; curte muito cinema e literatura, entre outras artes; escreveu o livro “Uma vida nos cinemas”, publicado pela editora Movimento em 1999, e desde a década de 80 tem seus textos publicados em diversos jornais e outras publicações de cinema em Porto Alegre. E-mail: eron@dvdmagazine.com.br

Linha
Todas as máterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantém você conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar você pode compartilhar suas preferências, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se já!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro