OSCAR 2015 - RESENHA: Birdman (ou A Esperada Virtude da Ignorncia)

Michael Keaton ajuda a tornar o filme nico e ainda mais extraordinrio

28/01/2015 16:30 Por Rubens Ewald Filho
OSCAR 2015 - RESENHA: Birdman (ou A Esperada Virtude da Ignor창ncia)

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

Birdman (ou A Esperada Virtude da Ignorância)

EUA, 14. 119 min. Direção de Alejandro Gonzage Iñarritu. Com Michael Keaton, Edward Norton, Naomi Watts, Emma Stone, Zach Galifianakis, Andrea Riseborough, Edward Norton, Amy Ryan, Lindsay Duncan.

Não sei se vai ganhar o Oscar® de melhor filme, porque a concorrência nos últimos tempos se exacerbou com o ingresso do americanista American Sniper, de Clint Eastwood (nunca desprezável), mas não há outra interpretação tão forte e carismática este ano do que a de Michael Keaton (além de tudo Hollywood adora um comeback, uma volta por cima, e é justamente o que ele esta fazendo). Sua história no filme é extremamente autobiográfica e por isso ousada. Ele faz um ator que já foi famoso ao fazer uma série de aventuras como o Homem Pássaro (como vocês lembram Michael Keaton, que não é parente de Diane, estrelou os dois primeiros filmes de Batman, em 89 e o Retorno em 92. Sempre dirigido pelo Tim Burton, em começo de carreira. Pena não terem continuado, é com outro herói o momento mais interessante da dupla, que foi justamente em Os Fantasmas se Divertem, 88, onde fazia Beetlejuice!)

De qualquer forma, Birdman, foi indicado para 9 Oscars: ator, filme, coadjuvante Norton, diretor, coadjuvante Emma Stone, roteiro, fotografia de Emmanuel Lubezki, o mesmo que ganhou ano passado por Gravidade, mixagem e edição de som. Ganhou Globo de Ouro de roteiro e ator (e teve mais 5 indicações, diretor, filme, trilha musical, coadjuvantes Norton e Emma, ganhou o prêmio SAG (do sindicato dos atores) pelo mais importante, que foi  melhor elenco (teve 3 indicações como ator), prêmio Gotham (ator e melhor filme) e ainda teve 4 prêmios menores pelo Festival de Veneza (o Bafta ainda não foi  votado mas tem 9 indicações). Nada mal para o que é um filme anormal, fora da rotina mas que talvez por causa disso teve um enorme impacto.

Basicamente é sobre esse ator “has been” decadente, Riggan, que tenta a sorte de voltar ao sucesso se arriscando muito uma peça de teatro na Broadway. É um retorno atormentado que provoca reações diferentes de sua filha rebelde e carente (Emma, que talvez seja a mais interessante de sua geração) e sócio Zach Galifianakis, já que colocaram todo o dinheiro que ainda tinham no Projeto. Os ensaios vão caminhando de forma conturbada e difícil um ator tem que ser mandado embora e entra outro ainda mais complicado, que saiu do estilo Actor´s Studio e bota tudo de pernas para o ar. É a melhor coisa que Edward Norton fez nos últimos tempos, sabendo ser irritante ou brilhante, ou ambas as coisas. Em volta deles temos as atrizes (uma delas diz estar grávida, mas parece sempre que esta mentindo).

O notável do filme é que ele foi rodado em Digital e com planos longos (às vezes ate de vinte minutos, se alguém errou tinham que recomeçar tudo de novo), sem luz artificial, isso quer dizer que a luz é a natural do ambiente, sem reforços ou truques, pode chamar de naturalista se preferir, mas hoje em dia com os recursos das câmeras a maior parte dos filmes tem sido feito assim. Ainda que não de forma tão radical. E bem sucedida.

Não sei se vai suceder com todo mundo, mas eu fiquei absolutamente envolvido na situação, que vai crescendo dramático (vou dar uma dica, o dito Birdman, o Homem Pássaro, aparece!) e chega ao clímax num par de sequências onde Riggan vai conversar com a critica do jornal New York Times (tão poderosos que com uma nota negativa fecham um espetáculo) feita brilhantemente por uma atriz britânica que ainda não tinha me marcado, Lindsay Duncan (Questão de Tempo, Sob o Sol da Toscana). A conversa entre eles não é realista (isso jamais aconteceria ao menos não dessa forma), mas tem um impacto inegável assim como a solução final (que não podemos entrar em detalhes!). Uma curiosidade: a Academia de Hollywood rejeitou a trilha musical dizendo que eram apenas ruídos de bateria. Realmente mas isso só mostra como são atrasados, é por ser de bateria que resulta tão forte e interessante.

De qualquer forma, Keaton é uma unanimidade. Inteiramente exposto, sem maquiagem, sem artifícios, ele da um show e uma lição de vida, não confundir papel/personagem com ator. Ele ajuda a tornar o filme único e ainda mais extraordinário.

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho jornalista formado pela Universidade Catlica de Santos (UniSantos), alm de ser o mais conhecido e um dos mais respeitados crticos de cinema brasileiro. Trabalhou nos maiores veculos comunica豫o do pas, entre eles Rede Globo, SBT, Rede Record, TV Cultura, revista Veja e Folha de So Paulo, alm de HBO, Telecine e TNT, onde comenta as entregas do Oscar (que comenta desde a dcada de 1980). Seus guias impressos anuais so tidos como a melhor referncia em lngua portuguesa sobre a stima arte. Rubens j assistiu a mais de 30 mil filmes entre longas e curta-metragens e sempre requisitado para falar dos indicados na poca da premia豫o do Oscar. Ele conta ser um dos maiores fs da atriz Debbie Reynolds, tendo uma cole豫o particular dos filmes em que ela participou. Fez participa寤es em filmes brasileiros como ator e escreveu diversos roteiros para minissries, incluindo as duas adapta寤es de “ramos Seis” de Maria Jos Dupr. Ainda criana, comeou a escrever em um caderno os filmes que via. Ali, colocava, alm do ttulo, nomes dos atores, diretor, diretor de fotografia, roteirista e outras informa寤es. Rubens considera seu trabalho mais importante o “Dicionrio de Cineastas”, editado pela primeira vez em 1977 e agora revisado e atualizado, continuando a ser o nico de seu gnero no Brasil.

Linha

relacionados

Todas as mterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantm voc conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar voc pode compartilhar suas preferncias, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se j!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro