Terror a Moda italiana!

Mestre do terror italiano Dario Argento tem versão nova de seu filme clássico Suspiria numa nova versão

16/10/2018 17:14 Por Rubens Ewald Filho
Terror a Moda italiana!

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

 

Mestre do terror italiano Dario Argento tem versão nova de seu filme clássico Suspiria numa versão nova que esta começando a ser distribuída na Inglaterra. Quem dirige a nova versão é Luca Guadagnino (famoso por Me Chame pelo Seu Nome), sendo que ele adaptou a trama para Berlim em 1977, durante os ataques terroristas do chamado Outono alemão. Dakota Johnson estrela como Susie Bannion, uma dançarina talentosa que foge de sua família em Ohio para abrir uma escola de dança na Alemanha, mas logo descobre que o lugar não é o que aparenta, e a chefe da escola uma famosa dançarina alemã Madame Le Blanc (Tilda Swinton) tem outros planos. O diretor Luca pensou em se aposentar mas mudou de ideia e já está fazendo uma continuação do Call me By Your Name assim como uma adaptação do álbum de Bob Dylan “Blood on the Tracks,” escrito por Richard LaGravenese. Suspiria estreia nos EUA em 26 de outubro. Para os fãs do gênero, mostramos como foi o filme original do especialista Argento.

 

Histórico do filme original de Argento:

Suspiria ***
1977. Itália. 98 min. Diretor: Dario Argento. Elenco: Jessica Harper, Alida Valli, Joan Bennett, Stefania Casini, Flavio Bucci, Miguel Bose, Susanna Javicoli, Udo Kier, Bárbara Magnolfi, Renato Scarpa, Dario Argento (narrador em italiano).

Sinopse: Bailarina americana vai estudar em famosa academia de dança na Europa. Mas crimes estranhos começam a acontecer na escola e ela é levada a desvendar o mistério.

Comentário: Considerado a obra-prima do diretor cult italiano de filmes de terror Dario Argento, um delirante pesadelo com espetacular cenografia e direção de arte barrocas e bastante violência explícita que se tornou um clássico do gênero. Ou seja, tudo é meio estranho, estilizado e é preciso certa paciência para entrar no clima. Argento é um grande criador de imagens e o filme é repleto de cenas elaboradas e de impacto, em especial na parte final. O roteiro também mantém o suspense até o último momento. Originalmente a história foi concebida para se passar numa escola com alunas adolescentes, mas o medo da censura levou Argento a aumentar a faixa etária das personagens; mas manteve os diálogos infantis e os cenários gigantescos aumentando a sensação de sonho (ou pesadelo!). As vilãs são feitas pelas veteranas estrelas, já falecidas, a italiana Alida Valli e a americana Joan Bennett (1910-90), em sua última participação em cinema. Argento era muito cuidadoso com as trilhas sonoras e a de Suspiria, composta pelo grupo de rock italiano Goblin, é especialmente notável e responsável por boa parte do clima do filme. Será difícil encontrar disponível a ótima edição em DVD com a versão original sem cortes do filme, no disco 2 o documentário legendado em português e com uma hora de duração “O Mundo de Dario Argento” (Dario Argento: An Eye For Horror, de 2000), dirigido por Leon Ferguson (NE.: Ainda está disponível na Americanas CLIQUE AQUI).

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho é jornalista formado pela Universidade Católica de Santos (UniSantos), além de ser o mais conhecido e um dos mais respeitados críticos de cinema brasileiro. Trabalhou nos maiores veículos comunicação do país, entre eles Rede Globo, SBT, Rede Record, TV Cultura, revista Veja e Folha de São Paulo, além de HBO, Telecine e TNT, onde comenta as entregas do Oscar (que comenta desde a década de 1980). Seus guias impressos anuais são tidos como a melhor referência em língua portuguesa sobre a sétima arte. Rubens já assistiu a mais de 30 mil filmes entre longas e curta-metragens e é sempre requisitado para falar dos indicados na época da premiação do Oscar. Ele conta ser um dos maiores fãs da atriz Debbie Reynolds, tendo uma coleção particular dos filmes em que ela participou. Fez participações em filmes brasileiros como ator e escreveu diversos roteiros para minisséries, incluindo as duas adaptações de “Éramos Seis” de Maria José Dupré. Ainda criança, começou a escrever em um caderno os filmes que via. Ali, colocava, além do título, nomes dos atores, diretor, diretor de fotografia, roteirista e outras informações. Rubens considera seu trabalho mais importante o “Dicionário de Cineastas”, editado pela primeira vez em 1977 e agora revisado e atualizado, continuando a ser o único de seu gênero no Brasil.

Linha
Todas as máterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantém você conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar você pode compartilhar suas preferências, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se já!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro