OSCAR 2018: The Square - A Arte da Discrdia (The Square)

Um humor sofisticado que pode ou no conquistar o pessoal da Academia

30/12/2017 21:38 Por Rubens Ewald Filho
OSCAR 2018: The Square - A Arte da Disc처rdia (The Square)

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

The Square - A Arte da Discórdia (The Square)

Suécia, 2017. 2h22min. Direção e roteiro de Ruben Östlund. Com Claes Bang, Elisabeth Moss, Dominic West, Terry Notary, Christopher Laesso, Elijando Edouard. Estreia dia 4 de janeiro no Brasil. Cotação: três.

Este é o inesperado vencedor da Palma de Ouro em Cannes em 2017, também indicado ao filme estrangeiro, aproveitando a popularidade do diretor sueco Ostlund (1974-), que fez poucas coisas como Força Maior (Turist, 14), indicado ao Bafta e premiado em Cannes no Um Certain Regard, um curioso filme de avalanche na neve, Play, 11 , o curta Handelse vid Banke, 09, melhor curta em Berlim, De Offriviliga, 08, melhor filme em Bruxelas. Ou seja, é um nome importante no novo cinema europeu.

Mas é bom avisar que esta comédia é muito particular, com um senso de humor ferino, mas que não chega a provocar gargalhadas. No máximo uma fungada desajeitada já que se trata também de um tema endereçado a um público mais sofisticado, de preferência europeu, ou ao menos sueco. É interessante se observar certos costumes que a gente achava que não existia por lá (ou seja, golpes na rua, para bater carteiras, o fato de ter muito pobre dormindo na calçada!) e mesmo a sátira é discreta (quem não frequenta museus e bienais vai ter dificuldade em achar muita graça na história é que basicamente uma sátira aos museus modernas e europeus, que vivem procurando novidades, e criando exposições a beira do ridículo). Quem freqüentou as Bienais vai entender bem o ridículo de certas pseudo artimanhas! (por exemplo, um artista numa sala pôs um monte de montinhos de terra, sem maior significado a não ser na cabeça fantasiosa e descontrolada dos diretores do museu). Quem é o protagonista é justamente o diretor dele, o dinamarquês aqui desconhecido Claes Bang que tem dificuldade de criar uma dupla de meninas (não se fala na mãe, ou menos não percebi).enquanto toma decisões sempre a beira do ridículo. A mais forte e engraçada dá chance para a excelente atriz americana, recém vencedora do Emmy, Elisabeth Moss, que faz uma entrevistadora logo no começo para depois retornar como uma transa sexual muito divertida e fora do comum (com ele, naturalmente).

Essa sequência ajuda a perceber o ridículo que o diretor esta tentando satirizar mas ainda assim com discreção. Ai que entra o nome do Square (não uma praça mas um quadrado mesmo, que esta sendo colocado na praça em frente ao museu, obra de um artista sucinto que vai provocando uma série de confusões e conflitos, quando convidam uma dupla de jovens pseudo artistas que visivelmente não sabem o que estão fazendo e agora realizando um vídeo com uma garota loirinha explodindo no quadrado (e o chefe não viu nada, porque está ocupado em resolver probleminhas pessoais). O que virá provocar uma revolta da imprensa (também passível de ridículo).

A outra trama muito irônica é quando o diretor do museu pede ajuda de um funcionário que vem com idéias erradas para recuperar sua carteira com documentos e dinheiro. Mas isso acaba provocando o surgimento de um garoto árabe incansável que exige que lhe peça desculpas! Mas ainda falta o clímax do filme que certamente é a sequência mais forte quando eles colocam em cena um homem das cavernas, ou coisa que o valha, para aparecer na festa de gala do museu e começa a agredir o público, em particular uma moça, o russo Terry Notary faz o homem macaco chamado de Oleg que na verdade teve problemas quando num caso real e semelhante, representou um cachorro e foi preso (ou coisa que o valha).

Ou seja, o diretor não esta levando nada daquilo a sério e entendo até como a gente pode se divertir com isso. Ou deixar irritado os que vestirem a carapuça. De qualquer forma, é diferente, feito com visual adequado para a trama, mas só vai agradar os que sacarem as referencias. Um humor sofisticado que pode ou não conquistar o pessoal da Academia.

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho jornalista formado pela Universidade Catlica de Santos (UniSantos), alm de ser o mais conhecido e um dos mais respeitados crticos de cinema brasileiro. Trabalhou nos maiores veculos comunica豫o do pas, entre eles Rede Globo, SBT, Rede Record, TV Cultura, revista Veja e Folha de So Paulo, alm de HBO, Telecine e TNT, onde comenta as entregas do Oscar (que comenta desde a dcada de 1980). Seus guias impressos anuais so tidos como a melhor referncia em lngua portuguesa sobre a stima arte. Rubens j assistiu a mais de 30 mil filmes entre longas e curta-metragens e sempre requisitado para falar dos indicados na poca da premia豫o do Oscar. Ele conta ser um dos maiores fs da atriz Debbie Reynolds, tendo uma cole豫o particular dos filmes em que ela participou. Fez participa寤es em filmes brasileiros como ator e escreveu diversos roteiros para minissries, incluindo as duas adapta寤es de “ramos Seis” de Maria Jos Dupr. Ainda criana, comeou a escrever em um caderno os filmes que via. Ali, colocava, alm do ttulo, nomes dos atores, diretor, diretor de fotografia, roteirista e outras informa寤es. Rubens considera seu trabalho mais importante o “Dicionrio de Cineastas”, editado pela primeira vez em 1977 e agora revisado e atualizado, continuando a ser o nico de seu gnero no Brasil.

Linha

relacionados

Todas as mterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantm voc conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar voc pode compartilhar suas preferncias, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se j!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro