Ninguém Deseja a Noite

A expedicionária Josephine Peary viaja ao Polo Norte para procurar o marido, um desbravador de terras que desapareceu numa tempestade de gelo. Convicta de que ele está vivo, segue com seu espírito audacioso rumo ao desconhecido, enfrentando perigos numa terra tomada pela neve e baixíssimas temperaturas. Quase todos os membros da equipe de Josephine morreram congelados, e ela, solitária, encontra abrigo numa comunidade de esquimós, tornando-se próxima de uma nativa, Allaka).

08/07/2018 00:18 Por Felipe Brida
Ninguém Deseja a Noite

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

Ninguém Deseja a Noite (Nobody wants the night/ Endless night). Espanha/França/Bulgária, 2015, 104 min. Drama/Aventura. Colorido. Dirigido por Isabel Coixet. Distribuição: Mares Filmes

Indicado ao Urso de Ouro no Festival de Berlim em 2015, “Ninguém deseja a noite” é um drama sublime com ares de aventura, inteiramente transcorrido no Polo Norte, com um trabalho magistral da dama Juliette Binoche. Com marcas de poesia que tocam a alma e uma lição de fotografia, o filme trata, de maneira bem curiosa, de dois temas sinuosos, o choque cultural e o poder devastador da natureza selvagem, além de suscitar discussão sobre a amizade entre dois desconhecidos numa terra dura e os percalços para se reencontrar com o amor verdadeiro.

Os vinte primeiros minutos do filme alimentam o público de informações reais sobre os perigos do Polo Norte e as dificuldades de sobreviver no território congelado, uma espécie de preparação psicológica para o que iremos assistir em seguida, composta por uma história de desafios, medos e perdas. Sabendo dos riscos, um grupo de expedicionários organiza mesmo assim a busca por um desbravador perdido no gelo, marido da grã-fina Josephine Peary, que costuma caçar ursos polares na região. E ela quer ir junto. Entre avalanches, nevascas e um frio tenebroso, grande parte da equipe fica para trás, muitos morrem de frio e de fome, outros se perdem, e Josephine, machucada, permanece firme no trenó puxado por cães, para atingir os objetivos. Até que sua visão de mundo dá uma chacoalhada quando tem um encontro inesperado com uma jovem esquimó (papel da atriz indicada ao Oscar por ‘Babel’ Rinko Kikuchi), que a leva para um refúgio entre os iglus. A partir desse choque cultural e na busca pela sobrevivência, nasce entre elas uma estranha amizade.

Nesse clima de angústia sobre a percepção do fim da vida, o drama anda numa crescente até um forte clímax, relacionado a um terrível segredo entre as duas personagens.

Em todo o filme somos conduzidos aos entremeios da história por uma narração em forma de poesia na voz calma de Josephine, uma mulher que veste peles elegantes e coloridas, cujo visual adquire um impressionante contraste com o branco da neve (chega a ser uma composição surrealista). O trabalho técnico é incrível, há um cuidado com a fotografia e o figurino que realçam o charme da história.

Um dos poucos filmes que conheço em que mostra a tradição dos esquimós, como é por dentro de um iglu, e a relação deles com a comunidade isolada do mundo.

Adequada também são as reflexões que a obra provoca, principalmente sobre a amizade entre as duas mulheres de mundos tão diferentes e esse choque entre a cultura branca europeia e os povos indígenas da Groenlândia.

A direção preciosa é da criativa cineasta espanhola radicada na França Isabel Coixet, de dramas superoriginais misturados com outros gêneros, como “Minha vida sem mim” (2003), “A vida secreta das palavras” (2005) e “Fatal” (2008) – seus trabalhos já concorreram nos principais festivais do mundo, como Cannes, Berlim, Veneza, Toronto, Goya, Gaudí, Nantes, Valladolid e Roma.

Já em DVD pela Mares Filmes. Imperdível!

 

 

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Felipe Brida

Felipe Brida

Jornalista e especialista em Artes Visuais e Intermeios pela Unicamp. Pesquisador na área de cinema desde 1997. Ministra palestras e minicursos de cinema em faculdades e universidades. Professor de Semiótica e História da Arte no Imes Catanduva (Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva) e coordenador do curso técnico de Arte Dramática no Senac Catanduva. Redator especial dos sites de cinema E-pipoca e Cineminha (UOL). Apresenta o programa semanal Mais Cinema, na Nova TV Catanduva, e mantém as colunas Filme & Arte, na rede "Diário da Região", e Middia Cinema, na Middia Magazine. Escreve para o site Observatório da Imprensa e para o informativo eletrônico Colunas & Notas. Consultor do Brafft - Brazilian Film Festival of Toronto 2009 e do Expressions of Brazil (Canadá). Criador e mantenedor do blog Setor Cinema desde 2003. Como jornalista atuou na rádio Jovem Pan FM Catanduva e no jornal Notícia da Manhã. Ex-comentarista de cinema nas rádios Bandeirantes e Globo AM, foi um dos criadores dos sites Go!Cinema (1998-2000), CINEinCAT (2001-2002) e Webcena (2001-2003), e participa como júri em festivais de cinema de todo o país. Contato: felipebb85@hotmail.com

Linha
Todas as máterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantém você conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar você pode compartilhar suas preferências, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se já!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro