NA NETFLIX: Eu Não Sou um Homem Fácil (Je ne suis pas un Homme Facile)

Achei esta comédia feminista um trabalho bem curioso e divertido dessa atriz e realizadora Eleonore Pourria

04/06/2018 15:56 Por Rubens Ewald Filho
NA NETFLIX: Eu Não Sou um Homem Fácil (Je ne suis pas un Homme Facile)

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

Eu Não Sou um Homem Fácil (Je ne suis pas un Homme Facile)

França, 18. 1h38 min. Direção de Eleonore Pourriat. Roteiro de Ariane Fert e Pourriat. Com Vincent Elbaz, Lucie Leclerc, Alan Maxson, Céline Menville, Blanche Garden e Marie Sophie Ferdanne.

Não tenho certeza se este é o primeiro longa-metragem francês da Netflix disponível por aqui (não consegui ainda descobrir outro, até por causa da polêmica recente com o Festival de Cannes e briga com os exibidores locais que exigem três anos de janela para um filme sair de cartaz nas salas de cinema. Curiosamente os críticos locais o rebaixam chamando de “TV movie” quando, na verdade, a televisão tem apresentado produções de qualidade e mesmo de melhor qualidade que a maior parte dos filmes previstos para cinema).

De qualquer forma, achei esta comédia feminista um trabalho bem curioso e divertido dessa atriz (23 filmes) e realizadora Pourriat (fez antes apenas um curta) que me impressionou pelas imagens da cidade atual de Paris (por exemplo, os emigrantes em geral negros em plena ação). E somente reconheci como o astro o Vincent Elbaz (talvez um pouco veterano para o personagem, ele nasceu em 1971, mas tem 56 créditos, pouco deles memoráveis por aqui (O Amor Está no Ar, O Resgate, A 100 Passos de um Sonho). Ele se sai bem como o protagonista de uma situação inspirada numa série de “indian web” sobre o comportamento masculino!

Ele interpreta Damien, um solteirão paquerador mal sucedido, que se apaixona por Alexandra, uma mulher forte e dominadora. Mas será um romance difícil de dar certo, até porque o filme é assumidamente feminista que questiona justamente o comportamento machista do herói. Então no filme sucede o oposto do costumeiro, com as mulheres dominando as relações amorosas em especial contra o chauvinista (me incomoda um pouco a atriz central, que desconheço, Marie Sophie Ferdanne, que é membro do lendário grupo teatral La Comédie Française!), ou seja, as mulheres o tratam como antes ele fazia com o sexo feminino. Não esperem nada muito profundo, mas eu sempre acho os filmes europeus, mais em particular os franceses, mais interessantes e profundos, ainda mais quando abordam esse tipo de relacionamento. Chega perto da sátira, onde as mulheres dominam nos empregos, modas, sexo, família, atitudes. Se estiver disposto, pode ser bem divertido.

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

relacionados

Todas as máterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantém você conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar você pode compartilhar suas preferências, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se já!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro